terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Inspiração de ônibus

E eu hoje me senti uma criança abobadinha quando entrei no ônibus.
Sorri pro motorista e pra cobradora e imaginei que este deve ter sido, na vida profissional deles, o dia em que mais receberam sorrisos. Estavam bem humorados.

Os nossos direitos, no papel, são muitos, mas poucas vezes (ou nenhuma) os recebemos por completo, na prática. Sempre falta aquele especialista de uma área fundamental na medicina, aquele professor de química na escola pública, uma merendeira capacitada, um motorista que dirija consciente de que carrega pessoas e não melancias.

Ocorre que hoje eu ia para o trabalho pensando em como se torna caótica a nossa vida sem algum desses serviços, ainda que ele tenha seus muitos defeitos. E eu não acredito que a coisa algum dia vá melhorar e que os defeitos minimizarão. Sou pessimista com essas coisas. E quando tento ser otimista, me dou mal.

Talvez eu morra antes que o SUS consiga solucionar um problema; tenha de ir trabalhar algumas vezes a pé, na falta de ônibus ou não possa manter um filho em escola pública, como fizeram meus pais. Mesmo assim, hoje eu tive vontade de abraçar as poucas pessoas que se dignam a cumprir essas tarefas nada fáceis de carregar uma cidade todos os dias. Sem eles fica muito mais difícil. E eu posso muito bem criticá-los, mas se eu não me torno um deles pra fazer melhor, com os mandantes (empresários e governantes) que eles têm, de nada adianta.

Eu, uma criança boba que entra no ônibus como se nunca tivesse visto aquele meio de transporte antes. Eles, antes de estarem a serviço de um governo que nasceu fracassado, são pessoas que um dia disseram "Quero trabalhar com isso". E mesmo sem saber ou querer, decidiram assim (mesmo sem decidir), que ajudariam toda uma população.

Salve esses profissionais.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Será?

Tava aqui pensando em voltar a postar!

Será? :|

terça-feira, 9 de novembro de 2010

A morte tem sempre um significado novo dependendo da fase de vida dos que ficam e de quem se foi. Nem sempre importa se o falecido é um parente, um grande amigo, um conhecido ou um desconhecido: a forma como acontece, o que é dito pelos mais próximos sobre os planos daquele que se encontra supostamente preso ao caixão vai nos moldando ainda que inconscientemente. Ao menos é assim que me parece ser.

É como se tudo que eu vivi até aqui pudesse ser jogado fora porque, de certo modo, "tá tudo errado. Eu tô perdendo tempo demais com coisas bobas e sem sentido."

Tenho me alimentado mal e ando meio afastada dos meus amigos / deixo de sair pra me divertir / deixo de ficar em casa com a família / deixo de estudar o final de semana inteiro / não tenho sido um exemplo de estudante (considerando que para o meu país isso não tem importância, tá tudo bem!) / perco muito sono pensando no dinheiro ou na falta dele / não tenho a responsabilidade que a vida adulta quer de mim.

Sou a pura inconsequência de tudo que há.

Não é fácil entender e não se deve tardar. Amanhã posso ser eu deitada ali, provocando as interrogações nos outros que ainda pertencerem a este mundo estranho, sem conseguir dizer que eu achei a resposta ou informá-los de que, assim como eu, eles jamais entenderão.

A morte não me traz medo, mas deixa com uma espécie de tristeza antecipada. Quando ela segurar minha mão, e dependendo de como for, não quero pensar em chorar o arrependimento do que eu deixei incompleto porque em mortes que chegam de forma surpreendente a sensação de quem fica é quase sempre a mesma:

"Ela podia ter vivido mais".

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Votemo$ con$$iente$

"Vamos festejar a inveja,
A intolerância, a incompreensão.
Vamos festejar a violência.
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada...

Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão"


VAMOS. Só vamos.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A campanha que merece sucesso

Após a grande Mãe Tecnologia ofertar no mercado a GENIAL invenção que acaba com o direito ao silêncio no ônibus, os celulares com auto falantes, vem a Carris, a favor da paz de espírito, adotando a maravilhosa campanha que visa convencer os passageiros a voltar, de braços abertos, para a ferramentinha chamada FONE DE OUVIDO.

Além da tortura, do estresse e de todo o barulho NATURAL do trânsito, existe uma convenção que define o perfil de pessoas que esbanjam o uso destes auto falantes-berrantes-irritantes: 50% são funkeiros, 30% são pagodeiros e 20% são do hip hop. Tá ligado?

Eu não tenho absolutamente NADA (N-A-D-A) contra essas pessoas, mas definitivamente: NÃO É o tipo de som que eu curto e NÃO É o estilo musical que, pelo menos, 60% da população mundial gosta de ouvir às 7h30 da manhã num ônibus lotado. NÃO É, OK? (acredito muito nisso).

Portanto, ouçam muita música, baixem às pencas para os seus mp3, 4, 8, 20... mas, para ouvi-las, utilize fones de ouvido. Não dói, não é difícil, não é caro, pode ser daqueles pequenos mesmo. Não há o risco daquela coisinha entrar cabeça adentro e se alojar no teu cérebro. Confia em mim!




Vai dar tudo certo.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Fim da brincadeira

Sem joguinhos, goleiros matadores e coisas que desviem a tua atenção (ok, pode seguir assistindo Passione!), agora é hora de coisa séria: aberta a pizzaria, horário eleitoral, erro dos plural e diversaaaum-de-verdade-gratuita-e-sem-limites!

Tô ansiosa! Já recebi alguns convites de candidatos n'ORKUTCH e adoro [mentira. desistam. essa tal de INTERNÉTCH já era!]

Essas eleições têm tudo pra causar (uhul): Dilmão e Serrinha tocam o terror no twitter e a Marininha não deixa por menos.

Acorda: falta pouco para chegar aquela hora em que o teu dedinho decide o futuro da tua Pátria. Ainda não decidi se Branco ou Nulo. É difícil.

Isso não é apologia, petismo, anti-petismo, capitalismo, comunismo, extremismo de direita ou de esquerda (o que significa tudo isso, afinal? nada).

É importante ligarmos a TV naquele horário gratuito (#diasemglobofeelings) de coraçãozinho aberto, pipoca, ceva e disposição. Só no momento em que tu sentir qual deles promete coisas mais absurdas que nem o próprio acredita ser possível cumprir, tampouco de te convencer que pode, é que tu deves começar a pensar em qual das opções melhor combina com o momento (ser mudo ou surdo) e sair pra vida bêbado.

Covardia, sei, mas prefiro viver os próximos 4 anos de desgraça sem me perguntar por que eu cometi o erro de votar no imbecil ali? (qualquer que seja). Isso tudo é pra que eu possa cantar o hino, na próxima copa, com todo o orgulho que existe no meu coraçããum e nos olhos fechados segurando a lágrima da emoçããum final.

Não, não chora! Liga a TV, ouve a voz dos que clamam no deserto. É importante e gratuito.

Tenta não te vender e viva feliz (ceva).

terça-feira, 8 de junho de 2010

nunca voltar jamais

Pausa eterna para pastar no gramado da copa.
Ruminaremos até 2014.

Um abra$$o.

terça-feira, 16 de março de 2010

A coligação do vento e do lixo.

Parei observando, da janela, o homem que varria a calçada lá embaixo com seu uniforme de cores vibrantes e seu punho molhado pelo suor que secava da testa.

Ele assoviava e parecia varrer conforme a música que lembrava, sem deixar escapar um papelzinho de bala sequer. Parecia bastante perfeccionista, atento ao seu trabalho.

Ele não contava era com o início de um vento impertinente que fazia escapar de sua vassoura alguns dos lixinhos que até então unira com tanto cuidado. Ele sabe que tem muito chão pra limpar e por isso não se permite voltar e buscar o que o vento leva. Ainda que pretenda manter a perfeição de seu trabalho, ele tem certeza - e fica feliz com esta - de que irá passar outras vezes por tal rua e então a limpará novamente. É certo.

Nesse tempo, ao som do assovio despreocupado, fui colocando rostos nos lixinhos que escapavam com seus bigodes, barbas, marcas de trabalho, falta de dedinho, sem um dente, sem caráter, sem vergonha. Eles escapavam com a ajuda de ventos. Ventos impressos, encubados, ao vivo, com ou sem cores.

Antes que cogitasse me atirar de onde observava, sem medir a distância que me separava do chão, decidi fechar a janela como quem desliga a TV em noite de carnaval; como quem não se importa a quantas estão os preparativos para a Copa do Mundo em pleno ano eleitoral.

Fechei a janela como quem não quisesse ver o gari partir, com seu suor digno no rosto, tendo deixado o vento vencer e fazê-lo acreditar que ele terá uma nova chance de limpar toda aquela sujeira mesmo que ele só queira voltar àquela rua, sei lá... em 2014.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Quanto falta para acabar esse ano?

2010 chegou! E?

O Sarney ainda está vivo. O galo Simon jamais virará sopa. A YODA já não aparece na mídiazzz. As chuvas, o gelo, os terremotos e os ventos seguem destruindo o mundo. A RBS continua nos informando a previsão do tempo. A Globo segue falando da Copa. Eu ainda sou uma estudante miserável. E tu começaste lendo uma crítica que não apresenta solução para mudar esta M toda!

Seguinte, amigo: Boa sorte na vida e Feliz 2011!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

OK. Perdemos!

Enfim assisti, ontem, o filme " 2012". Estava curiosa e com boa expectativa, causada pelos comentários de quem assistiu nas primeiras semanas. Julguei uma ficção (ou não!) muito bem pensada e convincente, ainda que tenha efeitos absurdos e até engraçados.

Acredito nesse fim. Nada me faria duvidar. O mundo já teve de recomeçar algumas vezes e está na hora do planeta dar jeito de garantir a própria existência (antes que acabemos com tódo).

CERTO!

O interessante é que após assistir a algo que provoque REFLEXÃO (aummmn!), fica claro que a vida está sempre de piada e é TUDO UMA BRINCADEIRA! Morreremos e.

DAÍ NÉÃM, assistindo no CRÁSSICO Jornal do almoço (RBS) hoje, o resultado da pesquisa realizada pela Fundação de Economia e Estatística (FEE), contendo números móito positivos para NÓS, GAÓCHO$THEBÉ$TCHÊ$, memateiemeafogueiemseguida:

"Pobreza cai no RS e atingirá 4% em 2030."

Em 2008, 17% da população se considerava pobre e a expectativa é de que em 2030 APENAS 4% dentre os melhoresdomóndo sejam considerados pobres. Tudo isso porque temos um dos mais excelentes governos do mundo no que diz respeito à ECÓNÓMIA! Perdi a fome de TANTA TRISTEZA:

TÓDO ACABARÁ EM 2012, cara! Morreremos.

Mor-re-re-mos!

E morreremos pobres.
De nada adiantaram os finais de novela da Globo, enfim. Afogarei NO ÁLCOOL as minhas esperanças (kjahldasdhs).
:(


Adeos.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Ensaio,

Querido Papai N... não, melhor não!

Hmn!

Prezada [De$]governadora, Yeda R.C.,

Venho por meio deste, dizer que estou cansada e um pouco chateada, até. Trabalho e estudos conciliados e a constante cobrança sob estes, têm me estressado um tanto.

Gostaria de solicitar minha aposentadoria. Agradeceria míseros R$ 20.000 mensais, uma vez que somente no mês de outubro, contribuí com o melhor e$tado (que tanto amamos), nos descontos de SESSENTA E TRÊS REAIS E UM CENTAVO, roub..., digo, descontados de meu pobre contra cheque salarial, contando que tenho trabalhado arduamente nos últimos 4 anos, ACHU JU$TU que me retornes de forma positiva.

Aguardo resposta, pois me julgo merecedora deste benefício após a tamanha humildade que me fez pedir R$ 2.111 a menos que o PAPAI NOEL, que só trabalha UMA VEZ AO ANO, nos lares da burgue$ia (= minoria)!

Desde já agradeço o retorno. E Feliz Natal!
Abra$$o.

Atenciosamente,
T.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

10necessário

Reginaldo ja teve seu barraco invadido pela PM, pelo menos, 3 vezes nos últimos 5 anos. Insistem que o camelô é traficante.

Na segunda delas, assistiu à morte do irmão Everaldo de apenas 21 anos: atingido por 10 tiros da arma oficial, sem sequer ter reagido.

O povo da vila vive traumatizado. Já não se preocupa com as questões da política nacional e economia mundial, mas numa forma de chegar em casa após um exaustivo dia de trabalho sem ser surpreendido pelos homens da lei.

Sem entender muito bem as questões de pizzas,das quais os jornais tanto (pouco) falam, o povo não questiona se o mundo realmente seria melhor se os trabalhadores fossem tratados com dignidade e se o lugar de bandidos e corruptos fosse mesmo atrás das grades.

Reginaldo só deseja a sorte de chegar em casa vivo, para assistir o capítulo diário da novela, ao lado da esposa e dos filhos.

Viver o hoje, como se o amanhã não lhe pertencesse.
Esse é o lema.

Não?

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

RUMINANDU

Enquanto isso no país da nudez e do futebol, eu critico a sociedade e tiro de mim toda a culpa pelas coisas que não funcionam nela. Leio e assisto nesse ano, as mesmas notícias de todos os anos passados e suas páginas políticas obscuras e cheias de propaganda da POMPÉIA (UM RÁPIDO DESVIO da minha atenção e eles não precisam de mais nada).

Nos dias 22/09 e 23/09, o Jornal do Almoço (RB$TêVê), mostrou dados do Portal da TRAN$PARÊNCIA do [DES]Governo do E$tado minutos antes da zumbizada do Lasiê. A reportagem I citava os abusos nas cobranças de diárias dos parlamentares, nas viagens feitas para suas próprias cidades (onde vivem suas famílias, no interior do Bovinão). A II denunciava a falta de apresentação de notas fiscais no abastecimento dos carros destes, nos postos do interior.

Como resposta à primeira crítica, Ivar Pavan (PT) disse que o assunto era grave e seria tratado na própria tarde do dia 22 (zzzZzZ), seria preciso tirar esse valor do poder do deputados uma vez que não pagavam diárias nessa cidade (mais purquê? é direitu!). Na resposta à segunda denúncia, os deputados disseram que muitos postos do interior, por serem pequenos, não apresentam o trabalho de Notas Fiscais (meo deós! manda fechar tudo URG, porque eles não estão pagando impo$to$ direitinhu, hein?)

FIM. E lá vinha o Lasier acabar com a minha fome e causar mais uma morte!

Sempre penso nos lugares do móndo que eu quero conhecer e sonhando com eles eu trabalho todos os dias, pra receber no final do mês uma lista enorme de impo$to$ na folha de pagamento e uma gota de salário be$ta. E não consigo dormir. Como diria um velho amigo em chamas: "Perco o sono com tamanha dor na bunda!"

É! O Lasiê quem grita, mas o CHOQUE é nosso!

Ruminemos!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Bons FURTOS

A senhora (bem senhora! tooooooooda senhora!) na fila do caixa, no super.

Caixa, triste: Todas essas frutas não foram pesadas, Senhora?
Vozinha: Ahmeudeus! é verdade. Esqueci, mi'a filha!

O moço das sacolinhas (leia: empacotador, se quiser) vai pesar. A fila mais parada que o Obirici, às 18h.

Vozinha: Sabe minha filha, tenho andado tão esquecida, geeente! - mão direita na testa - Como pude esquecer de pesar?
Caixa: Ãmn?!
Vozinha: Sabe o que é? Tive SEIS AMEAÇAS DE INFARTO. Fiquei muito mal, mas ainda to viva!

(Pensei: mastoooooda!)

Caixa impaciente. A fila enorme!

Vozinha: Sabe, se eu tiver mais um, acho que... sei lá!

(A atmosfera esperando ela dizer: MORRO)

Ela continua: Acho que eu perco toda a memoria de vez!

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Foda-[m]e o [s]eu otimismo

Eu queria ter nascido pra escrever pequenos textos geniais, mas me perdi dos ideais marxistas, das frases relevantes, dos protestos com própositos, das ideologias que dispensavam vozes ligadas à tomadas.

Há bastante tempo tenho me dedicado a ler bons livros de jornalistas consagrados, que me apresentem boas críticas, sátiras e argumentos entendidos por poucos, mas eles não são maiores do que o trago que atrasa meu cérebro em km.

Escrevo, escrevo, escrevo, releio; rasgo tudo e jogo no lixo. A arte do bom senso. A misericordiosa autocrítica. O desnecessário "happy end". O lamento seguido pelo ponto final.

É bonita? Mas é a vida, caralho! Que se dane o otimismo!